Encontro com a Palavra de Deus – XXIII Domingo do Tempo Comum - ANO B

XXIII DOMINGO TEMPO COMUM – ANO B

 

5 setembro 2021

 

1ª Leitura – Is 35, 4-7: Então se desimpedirão os ouvidos aos surdos…

Salmo 145: Ó minha alma, louva o Senhor.

2ª Leitura – Tg 2, 1-5: A fé em jesus Cristo não deve admitir aceção de pessoas.

Evangelho – Mc 7, 31-37: Faz que os surdos oiçam e que os mudos falem.

 

 

A PALAVRA É MEDITADA

Nesta narração Jesus aparece antes de mais como um "passador" de fronteiras: caminha com os seus atravessando a Galileia, passando às cidades fenícias de Tiro e Sídone, até à Decápole pagã. O caminho de Jesus, o homem sem confins, é como uma sutura que coze os retalhos de uma ferida, à procura daquela dimensão do humano que nos une todos e que vem antes de toda a divisão cultural, religiosa, racial.

Trouxeram-lhe um surdo mudo. Um homem prisioneiro no silêncio, uma vida dividida ao meio, mas que é "trazido", por uma pequena comunidade de pessoas que lhe querem bem, até àquele mestre estrangeiro, mas o qual toda a terra estrangeira é pátria.

E pediram-lhe que lhe impusesse as mãos. Mas Jesus faz muito mais. Pertence precisamente à pedagogia da atenção a sucessão das palavras e dos gestos. Toma-o, pela mão provavelmente, e leva-o consigo, para um lugar apartado, longe da multidão, e assim lhe manifesta uma atenção especial; não é mais um dos tantos marginais anónimos, agora é o preferido, e o mestre é todo para ele, e começa, a comunicar assim, com a atenção, olhos nos olhos, sem palavras. E seguem gestos muito corpóreos e ao mesmo tempo muito delicados.
Jesus pôs os dedos nos ouvidos do surdo: o toque dos dedos, as mãos que falam sem palavras. Jesus entra numa relação corpórea, não etéreo ou separado, mas como um médico capaz e humano, dirige-se às partes frágeis, toca aquelas mais sofredoras.

Depois com a saliva tocou a sua língua. Gesto íntimo, coenvolvente: dou-te algo de meu, algo de vital, que está na boca do homem juntamente com o respiro e a palavra, símbolos do Espírito. Evangelho de contactos, de odores, de sabores. O contacto físico não desagradava a Jesus, antes pelo contrário. E os corpos tornam-se lugar santo de encontro com o Senhor…

A salvação passa através dos corpos, não lhes é estranha, nem se esquiva deles como lugar do mal, aliás são «atalhos divinos» (J.P. Sonnet).

Olhando então para o céu, emitiu um suspiro e disse-lhe: Effatá, isto é: Abre-te! Em aramaico, no dialeto de casa, na língua do coração; emitindo um suspiro que não é um grito que exprime poder, não é um soluço de dor, mas é o respiro da esperança calmo e humilde, é o suspiro do prisioneiro (Salmo 102,21), é a nostalgia pela liberdade (Salmo 55,18). Prisioneiro juntamente com aquele homem impedido, Jesus suspira: Abre-te, como se abre uma porta ao hospede, uma janela ao sol, como se abre o céu depois da tempestade.

Abre-te aos outros e a Deus, e que as tuas feridas de antes se tornem fendas, através das quais entra e sai a vida. Primeiro os ouvidos. E é um símbolo eloquente. Sabe falar só quem sabe escutar. Os outros levantam barreiras quando falam, e não encontram ninguém. Jesus não cura os doentes para que se tornem crentes ou se ponham a segui-lo, mas para criar homens livres, curados, plenos. «Glória de Deus é o homem vivente» (Sant'Ireneu) o homem que regressou à plenitude da vida.

 

É REZADA

Descobre a palavra como ponte,

para os outros as letras do coração à esperança.

A palavra é semente poderosa de encontro,

troca de vida no coração do outro.

Pela palavra somos humanos

e o humano entrega história do seu futuro.

Se falta a palavra a história encolhe-se,

o silencio não é dito que seja vazio

se passa de qualquer maneira significado.

Palavra e letra em sucessão,

mas também olhar, doçura acariciadora,

paixão envolvente, lágrimas e sofridas

palavra intercambiada, dada, oferecida,

partilhada, corajosa, deixa o sinal

e contagia de quem a passa a quem a toma.

Palavra tomada, convertida em própria,

relançada em brigas para contar histórias.

A palavra designa o homem como homem,

palavra e palavras e se encontraram,

uma às outras passou rumor de força:

Effatá gritou e as palavras encontraram substância.  

Ámen”

 

 

 (In, Qumran2.net e LaChiesa.it - tradução livre de fr. José Augusto)

 


eşya depolama izmir escort kartal escort gebze escort antalya escort şişli escort ümraniye escort anadolu yakası escort saç ekimi porno mecidiyeköy escort anadolu yakası escort 1xbet best10
gaziantep escort