Encontro com a Palavra de Deus – XXIV DOMINGO TEMPO COMUM – ANO A

XXIV DOMINGO TEMPO COMUM – ANO A

    

17 de Setembro de 2017

 ANO A

 

AS LEITURAS DO DIA 

Sir 27, 33-28,9: Perdoa a ofensa do teu próximo.

Salmo 102: O Senhor é clemente e compassivo…

Rom 14, 7-9: Quer vivamos, quer morramos, pertencemos ao Senhor.

Evangelho: Mt 18, 21-35: Não te digo até sete vezes, mas setenta vezes sete.

 

A PALAVRA É MEDITADA

Para muitas pessoas a palavra “perdão” não tem nenhum sentido. Todos sentimos a dificuldade e quase a “impossibilidade” de perdoar.

Para compreender alguma coisa do perdão, para conseguir pelo menos um pouco entrar nesta estrada, é preciso pensar em Deus, Pai, rico de misericórdia, em Cristo, que reconciliou em si todas as coisas e perdoou aos seus algozes; serve-nos de grande ajuda o testemunho de tantas almas belas de caracter forte, que souberam viver o perdão de várias maneiras, mas de modo verdadeiro.

A lei do perdão é a grande revolução espiritual que o cristianismo introduziu no mundo. Para os antigos existia a lei do "faz como te foi feito", "olho por olho, dente por dente". E os judeus, que eram educados religiosamente, diziam para perdoar até três vezes.

O apóstolo Pedro falando com Jesus vai mais além: "Senhor, quantas vezes devo perdoar o meu irmão se pecar contra mim? Até sete vezes? E Jesus responde: Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete". Jesus não queria pôr um limite matemático fazendo pensar que se devesse perdoar 490 vezes e depois se é livres para se vingar. Não, Ele exclui em sentido absoluto o sentimento de vingança, devendo-se perdoar sempre, sem limites.

É necessário que se siga a prática do Pai que está nos céus. Ele é largo em perdoar, diz o profeta Isaías. Ele faz nascer o sol sobre bons e maus, e faz chover sobre justos e injustos…

Como cristãos, somos chamados a agir à maneira de Cristo que nos ensina um método novo dizendo: "Não te oponhas ao malvado", e também: "Amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem … Se amais aqueles que vos amam, que prémio mereceis? Vós, portanto, sede perfeitos, como é perfeito o vosso Pai celeste". Jesus realizou plenamente estas palavras na sua vida, não só perdoando um grande número de pecadores, mas chamando "amigo" a Judas Iscariotes, mesmo sabendo que estava para o trair. E quando no madeiro da cruz, pregado, ouve o insulto dos seus carrascos, Ele diz: "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem".

Neste Evangelho de Mateus temos a parábola do servo mau, muito clara e si mesma.

A parábola acrescenta uma palavra que é válida para nós: "Assim vos fará também meu Pai celeste, se cada um de vós não perdoar de coração ao seu irmão". O que significa que o Senhor não usará de misericórdia connosco se por nossa vez não usarmos de misericórdia com os outros. O débito do nosso irmão é pequeno, relativamente ao que temos nós com o Senhor. A nossa rebelião a Deus constitui a dívida impagável dos dez mil talentos. Deus perdoa só se por nossa vez perdoarmos de coração aos nossos devedores.

Esta prática é tão importante na lei de Deus que Jesus a incluiu na oração modelo: "Perdoa as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido" (Mat 6,12).

E o apóstolo Paulo escreve: "Sede bondosos uns para com os outros, misericordiosos, perdoando-vos mutuamente, como Deus vos perdoou em Cristo" (Ef.4,32). Podemos recordar, entre os muitos, o testemunho de Maria Goreti e da sua mãe. Maria Goreti morre implorando de Deus o perdão para quem a tinha atingido. Depois de muitos anos, quando este homem, saído da prisão, desejou ir visitar a mãe e lhe perguntou: "Podeis perdoar-me?". Ela respondeu: "Já te perdoou a minha filha, perdoou-te Deus, como faço eu a não te perdoar?" e abraçou-o.

 

A PALAVRA É REZADA

Parece-me de ser um herói, Jesus,  

quando não respondo logo à ofensa com a ofensa,  

ao insulto com o insulto.

E iludo-me quase de ser um santo

quando renuncio à vingança e tento reprimir o rancor.  

Mas tu não te contentas sequer com tudo isto…

Pedes-me para perdoar, para cancelar a divida e estar pronto a fazê-lo  

não só algumas vezes, mas sempre.

E para me convencer, dado que uma coisa do género

não me sai espontânea, lembras-me a minha dívida,

a divida enorme e desproporcionada

que tenho para com o teu Pai.

O que são, em confronto, as dívidas que alguns possam ter comigo?  

Pouca coisa, que desaparece, diante daquilo que devo a Deus.

Por isso, Jesus, peço-te que mudes o meu coração,

que desfaças o meu orgulho, a minha soberba,

que desenraizes a minha vontade de vingança,

que me conduzas pelo caminho da misericórdia,

aquele que tu me traçaste na cruz,

dando o teu perdão a quem te matava.

Ámen.

 

 (In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de fr. José Augusto)

 

 


eşya depolama izmir escort kartal escort gebze escort antalya escort şişli escort ümraniye escort anadolu yakası escort saç ekimi porno mecidiyeköy escort anadolu yakası escort 1xbet best10
gaziantep escort