Encontro com a Palavra de Deus – XXIII Domingo do Tempo Comum - ANO C

XXIII DOMINGO TEMPO COMUM – ANO C

    

                           8 de Setembro de 2019

 

AS LEITURAS DO DIA 

 

Sab 9, 13-19: Quem pode sondar as intenções do Senhor.

Salmo 89: Senhor, tendes sido o nosso refúgio, através das gerações.

 

Flm 9-10.12-17: Se me consideras teu amigo, recebe-o como a mim próprio.

Evangelho Lc 14, 25-33: Quem não renunciar a todos os seus bens …

 

A PALAVRA É MEDITADA

«Se alguém não me preferir ao pai, à mãe»... Jesus não ensina o ódio, Ele que foi a ternura em pessoa, nem revira o quarto mandamento. Este estranho verno "odiar" na boca de Jesus, significa, na linguagem semita, "amar a menos”, não ficar fechado apenas no pequeno círculo da tua casa, fazendo disso a medida do futuro.

«Se alguém não me preferir à própria vida»... Mas a vida ama-se. Jesus pretende dizer: tu não és a medida de ti mesmo; o homem é mais que um homem. «Quem não toma a sua cruz – o máximo do amor imotivado, o máximo do amor puro – não pode ser meu discípulo».

«Quem não renunciar a todos os seus bens”. Renuncia às coisas, não as ponhas por ima dos teus pensamentos, porque o drama das coisas é que têm um fundo e o seu fundo está vazio. Renuncia à lógica do ter mais, neste mundo disponível a todos os comércios, e a todas as vendas, disponível até a vender homens e crianças. Mais ainda, renuncia a este sistema disposto a fazer do dinheiro a medida última do bem e do mal.

Havia grande multidão à volta de Jesus, e no entanto, o Nazareno não se exalta pelo número, não procura o aplauso das multidões, mas a totalidade do coração. Também da parte de doze, ou de menos ainda, quando dirá: quereis ir embora também vós? De um pelo menos que, como Pedro, tenha o coração de dizer: só tu tens palavras que dão vida, finalmente, a vida. as palavras de Jesus hoje são como os pregos da crucifixão: entram na carne viva, fixam-te com dor à sua proposta; Jesus não quer tanto, quer tudo. Mas a quem interessa tornar-se o discípulo delineado por Lucas, isto é um pobre Job a quem são tiradas as amizades e amores, e a sua vida é uma colina de cruzes, e é mais pobre que os pobres? É este o homem novo? Sem amores, sem casa, sozinho, crucificado, sem pão, filho só de subtrações e de abandonos? É esta a história alternativa que o Evangelho nos propõe?

São palavras perigosas estas de hoje, se mal percebidas. O acento deve ser posto sobre o verbo principal: tornar-se discípulo; o centro focal das frases não é sobre a renúncia, mas sobre a conquista; não sobre o ponto de partida, mas sobre a meta, que é a estatura de Cristo: «eu não sou / ainda e nunca / o Cristo, / mas eu sou esta / infinita possibilidade» (Turoldo), a única, a fim de que seja dada eternidade a tudo aquilo que de mais belo trazemos no coração.

A via avança por uma paixão, não por uma ou muitas renúncias, não a golpes de sacrifícios. Não se aprende se não aquilo que se ama (Goethe). O homem torna-se aquilo que ama, aquilo que contempla com os olhos do coração. Fixando o olhar em Cristo, tornar-me-ei não um homem dividido, mas como Ele, um pacificado que se torna pacificador, pão e vinho para a festa, talvez um fragmento de espigas dentro das veias escuras do mundo.

 

A PALAVRA É REZADA

 

Seguir-te, Jesus, não é uma escolha que se faça de coração leve.

Tu poes-nos de sobreaviso acerca de decisões

apressadas e superficiais que não têm em conta

as fadigas, os obstáculos, os sofrimentos,

por vezes até mesmo as perseguições a que vamos ao encontro.

Seguir-te, Jesus, não é um passeio

e tanto menos um caminho triunfal

ao longo do qual recolher consensos e louros.

Tudo outra coisa! É uma verdadeira e própria luta

porque coloca em discussão

a nossa tranquilidade e os nossos hábitos,

as escolhas feitas cedendo à corrente,

os compromissos selados e garantidos

uma existência sem riscos e sustos.

Seguir-te, Jesus, significa expor-se com tudo aquilo que se é e que se tem,

com os próprios afetos e os próprios recursos

ao vento do Espirito e deixar-se guiar pela bussola

do teu Evangelho, do desígnio de amor

que vieste manifestar e inaugurar com a tua cruz.

Seguir-te, Jesus, torna-nos inevitavelmente desarmados e frágeis

como é quem ama com todo o coração,

como é quem deixa tudo para se confiar a ti,

como é quem se liberta de todo o empecilho

para encontrar em ti toda a segurança.

Seguir-te, Jesus, é – em todo o caso -

a maior aventura da nossa vida.

 

Ámen                               

 

(In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de fr. José Augusto)

 


eşya depolama izmir escort kartal escort gebze escort antalya escort şişli escort ümraniye escort anadolu yakası escort saç ekimi porno mecidiyeköy escort anadolu yakası escort 1xbet best10
gaziantep escort