Encontro com a Palavra de Deus – XV DOMINGO TEMPO COMUM – ANO A

XV DOMINGO TEMPO COMUM – ANO A

    

16 de Julho de 2017

 ANO A

 

AS LEITURAS DO DIA 

Is 55, 10-11: A palavra que sai da minha boca, não volta sem ter produzido efeito.

Salmo 64: A semente caiu em boa terra e deu muito fruto.

Rom 8, 18-23: As criaturas esperam ansiosamente a revelação dos filhos de Deus.

Evangelho: Mt 13, 1-23: A semente é a palavra de Deus e o semeador é Cristo.

 

A PALAVRA É MEDITADA

Podemos rezar para que a Primavera manifeste na criação a beleza e a riqueza de Deus: "Tu visitas a terra, Senhor, e abençoas os seus rebentos" (Salmo responsorial). Podemos rezar e pedir ao Senhor que faça crescer e frutificar as obras do compromisso humano. Mas, segundo as linhas litúrgicas deste domingo, somos convidados a repetir aquela invocação para que o Senhor nos visite com a sua Palavra, para que assim faça crescer e frutificar o balbuciar da palavra humana, que é quase o rebento da verdade, posto em nós pelo próprio Deus.  

Porém esta oração terá significado e nascerá do coração só quando o crente estiver consciente da aridez e do vazio da sua palavra, de modo a sentir viva a necessidade de Deus: "De ti tem sede a minha alma, por ti anela a minha carne, como terra deserta, árida, sem água" (Sal 6,2). Este suspiro é recusado pela autossuficiência do homem de hoje.  

É preciso também reconhecer que os discursos dos homens, quando se separam da palavra de Deus, se tornam portadores de erros e de discórdias; mas ao mesmo tempo podemos ter confiança, porque Deus nos fala sempre.

A Palavra de Deus quis fazer-se próxima de nós, quis humanizar-se. Jesus, Palavra de Deus, deu-se para nos guiar e salvar. O fruto perene desta Palavra, semeada no mundo, em cada coração, é a comunhão com o Pai, mediante a redenção realizada pelo Filho, no Espirito Santo.

Este mistério de comunhão vive e realiza-se na Igreja, que é o Corpo de Cristo. A Igreja aprendeu a escutar a parábola do semeador como uma mensagem de esperança: Deus deu com total generosidade a sua Palavra, espalhou-a no mundo; atesta-nos que não a semeou em vão. Por isso, a Igreja educa sempre os seus filhos a acolher este dom real, para que eles possam proclamar a Palavra de Deus.  

Alimentada e guiada pela Palavra, a Igreja sente a tarefa da evangelização como primeiro momento da sua presença no mundo, para manifestar assim a presença de Jesus, sua cabeça: "Eis, o semeador saiu a semear” (Evangelho, v. 3).

Jesus, Palavra do Deus vivente, fez-se homem num dia preciso da história; a sua obra de semeador não terminou com a ascensão ao céu: continua por meio da Igreja, é fecundada com o dom do Espirito. Sempre temos necessidade de invocar a Cristo, para que nos visite, abençoe "os seus rebentos": devemos pedir-lhe que continue em nós, com o dom do Espirito, a sua sementeira, de iluminação, para que nos abramos a Ele e Ele possa falar ao nosso coração.

A civilização do bem-estar endureceu verdadeiramente o coração do homem. A cultura das imagens escondeu, fez desaparecer o rosto de Deus. Já desde o início da jornada se vive na angústia de uma felicidade artificial, inalcançável: terá ainda sentido a alegria do orante bíblico: "Ao despertar saciar-me-ei da tua presença"?

São muitos os obstáculos que a Palavra de Deus pode encontrar no nosso coração: frequentemente é uma "estrada" de intenso tráfico, onde a Palavra é pisada; ou então é um "terreno pedregoso" e coberto de "espinhos", condicionado pela inconstância, pela procura terrena.

O ponto fraco da vida cristã consiste precisamente no facto que não desejamos Deus e a sua Palavra verdadeiramente e intensamente; por vezes, o nosso encontro com Cristo limita-se ao cumprimento de compromissos religiosos, que acabamos por procurar enquanto confortantes para nós próprios; por isso, na realidade, mais que escutar Deus, o nosso desejo reentra em nós. Devemos crescer no desejo de Deus, se queremos que a promessa do profeta se cumpra: "A palavra saída da minha boca não volta a mim sem ter produzido efeito, sem ter realizado aquilo que desejo" (1ª leitura).

 

A PALAVRA É REZADA

Eis, também eu ouvi  

com atenção e interesse a tua Palavra, Senhor.

Atingiu-me num momento particular,  

deu-me luz e força  e senti-me encorajado.

Eis, também eu compreendi o teu projecto de salvação,  

alegrei-me com a bela notícia, contemplei com gratidão  

os teus gestos de cura e de misericórdia.

Eis, também eu meditei os teus conselhos  

e encontrei-os extraordinários de todo

e cheios de sabedoria e de amor.

Estás contente, Senhor?

Ou será que tudo isto ainda não te basta?

O que é que queres mais?

Não te basta a minha atenção, o meu aplauso,  

a minha estima, a minha compreensão?  

Não, parece mesmo que tu esperes outra coisa de mim.

Tu queres que a tua Palavra dê fruto na minha existência.  

Enquanto sito não acontece, a semente que colocaste corre o risco  

de ser um dom desperdiçado.

E não te basta uma pequena planta  

a partir do momento que aquele grão  

tem possibilidades prodigiosas.

Ámen.

 

 (In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de fr. José Augusto)

 

 


eşya depolama izmir escort kartal escort gebze escort antalya escort şişli escort ümraniye escort anadolu yakası escort saç ekimi porno mecidiyeköy escort anadolu yakası escort 1xbet best10
gaziantep escort