Encontro com a Palavra de Deus – Ascensão do Senhor – ANO B

VII DOMINGO DE PÁSCOA

Ascensão do Senhor

    

13 de Maio de 2018

 

AS LEITURAS DO DIA 

Act 1, 1-11: Elevou-se à vista deles.

Salmo 46: Ergue-se Deus o Senhor, em júbilo e ao som da trombeta.

Ef 1, 17-23: Colocou-o à sua direita nos Céus.

Evangelho Mc 16, 15-20: Foi elevado ao céu e sentou-se à direita de Deus.

 

A PALAVRA É MEDITADA

No evangelho deste domingo, Marcos conclui toa a sua narração evangélica. Uma conclusão que não fecha, porém, o discurso, mas sim o abre. Inicia um caminho novo, já não só de Jesus, mas de Jesus e da sua Igreja. Mas qual caminho? Em que direcção? Com que modalidades?

Trata-se antes de mais de um caminho universal: em todo o mundo, a toda a criatura, em toda a parte. Cada homem, onde quer que se encontre e seja a que raça pertença, tem o direito de ouvir o anúncio do Evangelho. Para Jesus – e para os seus missionários – não existem os próximos e os distantes, os primeiros e os últimos. Jesus não diz aos discípulos para iniciar a missão em Jerusalém: envia-os logo em todo o mundo.

A tarefa é a de «pregar», um termo este que merece uma explicação. Não significa simplesmente ter uma instrução ou uma exortação ou um sermão edificante. O verbo «pregar» indica o anúncio de um evento, de uma notícia, não de uma doutrina. Trata-se de uma notícia decisiva: não é só uma informação, ma sum apelo. Tanto é verdade que precisamente no seu acolhimento ou rejeição se joga o seu destino: «será salvo», «será condenado». Esta é uma afirmação dura, e certamente para a entendermos com os devidos esclarecimentos. Mas é sempre uma afirmação que não se pode cancelar do Evangelho.

O Evangelho pregado torna-se credível e visível pelos sinais que o discípulo realiza. Mas deve tratar-se de sinais que deixam transparecer o poder de Deus, não o do homem. E deve tratar-se de sinais que reproduzem aqueles que foram realizados por Jesus: as mesmas modalidades, o mesmo estilo, as mesmas finalidades. Não esqueçamos, pois, que o grande sinal realizado por Jesus foi a sua vida e a sua morte: o milagre de uma incondicionada doação a Deus e aos homens.

Jesus terminou o seu caminho e senta-se, os discípulos por seu aldo, iniciam o seu caminho e partem. Jesus sobe ao céu e os discípulos vão pelo mundo. Mas a partida de Jesus não é uma verdadeira ausência, mas sim uma outra modalidade de presença. «O Senhor cooperava com eles e confirmava a Palavra».

Uma última observação: Jesus «repreendeu os discípulos por causa da sua incredulidade e dureza de coração». Repreende os seus discípulos pela sua incredulidade e todavia envia-os a pregar pelo mundo inteiro. Um contraste surpreendente. O discípulo diminui mas não diminui a fidelidade de Jesus para com ele. É por isso que o caminho da igreja permanece, não obstante tudo, um caminho aberto e rico de possibilidades.

 

A PALAVRA É REZADA

A tua Ascensão ao céu, Senhor  
enche-me de alegria porque acabou para mim  
o tempo de estar a olhar para aquilo que fazes  
e começa o tempo do meu compromisso.  
Aquilo que me confiaste,  
rompe a concha do meu individualismo
e do meu estar a olhar  
fazendo-me sentir responsável
em primeira pessoa pela salvação do mundo.
A mim, Senhor, confiaste o teu Evangelho,  
para que o anunciasse por todas as estradas do mundo.
Dá-me a força da fé,  
como tiveram os teus primeiros apóstolos,  
de modo que não me vença o temor,  
não me parem as dificuldades,  
não me desanime a incompreensão,  
mas sempre e em toda a parte, eu seja tua alegre notícia,
revelador do teu amor,  
como o foram os mártires e os santos  
na história de todos os povos do mundo.

Ámen.

 

 

 (In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de fr. José Augusto)

 


eşya depolama izmir escort kartal escort gebze escort antalya escort şişli escort ümraniye escort anadolu yakası escort saç ekimi porno mecidiyeköy escort anadolu yakası escort 1xbet best10
gaziantep escort