Encontro com a Palavra de Deus – XXXIII Domingo do Tempo Comum - ANO C

XXXIII DOMINGO TEMPO COMUM – ANO C

    

                           17 de Novembro de 2019

 

AS LEITURAS DO DIA 

 

Mal 3, 19-20: Para vós nascerá o sol de justiça.

Salmo 16: Senhor ficarei saciado, quando surgir a vossa glória.

2Tes 3, 7-12: Quem não quer trabalhar, também não deve comer.

Evangelho Lc 21, 5-19: Pela vossa perseverança salvareis as vossas almas.

 

A PALAVRA É MEDITADA

Virão dias de luto e de choro. Aliás, já vieram, e estão ainda a chegar. O mundo está doente, e, contudo, de nós não se evade, está-se no meio, como Jesus, procurando curar as suas chagas.  

A vinda de Jesus não resolveu os males do mundo. Aliás a fé em Jesus parece provocar um suplemento de violência e de ódio: é a criação que luta contra o mal. Jesus, e as suas testemunhas, o templo de Jerusalém, o templo do nosso corpo (Jo 2,21), il mondo, tudo deve passar por uma história de morte renascimento, de cruz e ressurreição: lei da toda a história. Tudo se tem na cruz. Tudo se tem na ressurreição.  

O último livro da Bíblia garante-nos que o mundo não acabará no fogo de uma conflagração planetária, mas na beleza. O fim da história não é a devastação da criação, mas o encontro do enamorado: «vi a terra nova, bela como uma esposa, descer do céu pronta para o esposo» (Ap 21,2).

Isto vale também para o discípulo: «nem sequer um cabelo da vossa cabeça perecerá». Mesmo se será destruído no dia da violência e do ódio, não o será para sempre. «Quanto a vós, até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Portanto não temais» (Mt 10,30). Eis mais uma vez o infinito cuidado de Deus pelo infinitamente pequeno, a fineza amorosa de um Deus pelo que nada é insignificante daquilo que pertence ao amado. Não é só desejo do coração, mas sabedoria do coração: Jesus ensina a viver o movimento de um pêndulo que vai do infinitamente pequeno à grande história, do fragmento de matéria ao segredo da vida, de um só dos meus cabelos a todo o futuro do cosmos. Na esperança.  

Agradeço ao meu Senhor, porque no caos da história o seu olhar está fixo sobre mim, não juiz que aparece, mas guardião atento de cada fragmento. E nada é demasiado pequeno: e se não for isento da destruição no dia do ódio, certamente será salvo depois no dia do Senhor.  

Como esperar este dia? Com uma espiritualidade do quotidiano que Lucas raça assim: permanecer firmes na «perseverança», termo que evoca toda a força necessária ao longo do caminho de sofrimento pelo qual se deve passar, mas que ao mesmo tempo respira a esperança Naquele que te conta os cabelos da cabeça. «Pela vossa perseverança salvareis as vossas almas», e é como dizer «salvareis as vossas vidas».

A vida salva-se não no desimpedimento, mas no tenaz, humilde, quotidiano trabalho que toma ao seu cuidado a terra e as suas feridas. Sem cair nem ceder no desencorajamento nem nas seduções dos falsos profetas. E se espero ainda o Senhor não é com base nos sinais dececionantes que consigo perceber dentro da confusão sanguinosa dos dias, mas pela beleza da fé em Alguém que está a contar os cabelos da cabeça e se repropõe como um Deus especialista no amor.

 

A PALAVRA É REZADA

 

Somos cristãos e temos atrás de nós vinte seculos de história.  

Muitas vezes paramos encantados  

a admirar a grandiosidade das nossas basílicas,  

tão cheias de harmónica beleza  

ao ponto de serem comparadas à tua beleza.

Cada sua pedra e cada arco,  

tal como cada pintura que contêm,

são uma marca da fé, forte e alegre,  

de tantas gerações que nos precederam.

Ao olhá-las, Senhor, sentimo-nos elevar para o alto,

mas, pensando no teu regresso ao mundo,  

percebemos um profundo desalento  

porque escolherás, como tua morada,  

a barraca dos excluídos ou a tenda dos nómadas.

Ajuda, Senhor, a Igreja a não procurar espaços de glória para si mesma,  

Mas a permanecer descalça entre os descalços, pobre entre os pobres,  

despojada de toda a franja, como o são os miseráveis

a quem a vida despojou.  

Só se for fiel em dar este testemunho,  

poderá estar certa de não ter perdido nenhum cabelo.

Ámen                                

 

(In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de fr. José Augusto)

 


eşya depolama izmir escort kartal escort gebze escort antalya escort şişli escort ümraniye escort anadolu yakası escort saç ekimi porno mecidiyeköy escort anadolu yakası escort 1xbet best10
gaziantep escort