Encontro com a Palavra de Deus – XXXI Domingo do Tempo Comum - ANO C

XXXI DOMINGO TEMPO COMUM – ANO C

    

                           3 de Novembro de 2019

 

AS LEITURAS DO DIA 

 

Sab 11, 22-12,2: De todos Vos compadeceis, porque amais tudo o que existe.

Salmo 144: Louvarei para sempre, o vosso nome, Senhor, meu Deus e meu Rei.

2Tes 1, 11-2,2: O nome de Cristo será glorificado em vós, e vós nele.

Evangelho Lc 19, 1-10: O Filho do homem veio procurar e salvar o que estava perdido.

 

A PALAVRA É MEDITADA

«Nem todos os males prejudicam». Assim diz a sabedoria popular: e assim efetivamente aconteceu naquele tempo a Zaqueu, o publicano de Jericó. Ele, com certeza, não era bem visto pelo povo: o seu trabalho de cobrador dos impostos tinha-o transformado num usurário. E, portanto, Zaqueu, naquele dia, não se podia juntar à multidão curiosa que se reunira para ver Jesus, o profeta de Nazaré. Teve que se contentar em estar escondido entre os ramos de uma árvore, na tentativa de ver sem ser visto. Mas precisamente de tal modo teve a possibilidade inesperada de encontrar Jesus de perto: «Zaqueu, desce depressa, porque hoje devo ficar em tua casa».. Exatamente «nem todos os males prejudicam»..

Na realidade, às vezes estar fora da multidão é até um bem: hoje como ontem. De facto, muitas vezes, a multidão é ambígua: estar no meio da multidão leva com frequência a atitudes contraditórias e rotineiras. Sobretudo a multidão permite ao individuo esconder-se, adiar o seu envolvimento pessoal, talvez para evitar má figura.  

Também para Jesus esta ambiguidade da multidão era evidente: e Ele – na verdade – nunca se entusiasmava muito com as aclamações do povo. Pensemos apenas na cena do Evangelho de domingo: Jesus quando entra em Jericó, é rodeado pela multidão; e contudo, Ele não se monta a cabeça por isso, mas decide visitar Zaqueu, que não estava na multidão ... E fazendo assim consegue pôr em claro a ambiguidade da multidão: de facto «vendo isto, todos murmuravam». O entusiasmo do inicio passou depressa...

Uma cena semelhante repetir-se-á pouco tempo depois, quando Jesus chega a Jerusalém: também aqui a exultação da multidão parece impossível de conter; Lucas, aliás, anota que «todo o povo pendia das suas palavras». E no entanto, será o mesmo povo – alguns dias mais tarde - a pedir a condenação de Jesus: «À morte! Crucifica-o, crucifica-o!».

Portanto parece compreensível a distância que Jesus sempre interpõe entre si e a multidão; e resulta igualmente compreensível a simpatia que manifesta em relação a Zaqueu. O publicano de Jericó, de facto, tem a coragem de sair da multidão anónima, correndo o risco de parecer ridículo: «então correu para diante e, para poder vê-lo, subiu a um sicómoro». E Jesus premeia esta coragem, chamando Zaqueu pelo nome e parando em sua casa.  

Precisamente sobre tal coragem de Zaqueu nós deveríamos refletir mais. Assim aconteceu sempre naquele tempo, durante toda a vida de Jesus: apenas quem teve a coragem de arriscar a própria boa imagem, pôde encontrar de verdade a promessa do evangelho. E assim pode acontecer ainda hoje, na nossa história quotidiana: porque só saindo da multidão podemos tornar-nos conscientes das esperanças que animam a nossa vida.

De facto, a esperança – toda a esperança – acontece quando nós nos pomos em jogo, e decidimos acreditar nela, sem seguir mais como ovelhas aquilo que dizem os outros. Exatamente como fez Zaqueu, quando se empoleirou num sicómoro porque queria ver Jesus.

 

A PALAVRA É REZADA

 

Atravessas a tua cidade, Jesus,

e sem dúvida falaram-te dele, Zaqueu.

É o chefe dos cobradores de impostos, não uma pessoa qualquer.

É ele a dirigir a recolha dos impostos, um serviço dado aos poderosos

e uma ótima ocasião para enriquecer

às custas dos pobres e dos desprevenidos, sem se fazer grandes problemas.

É ele a ditar as regras e a não se importar com a justiça,

a espremer sem constrangimento aqueles que não têm de comer

e são obrigados a pagar taxas iniquas.

Da lei de Deus não se importa muito,  

aquilo que lhe interessa é fazer dinheiro, muito dinheiro,  

e possivelmente depressa.  

A uma personagem assim, uma vez que te acontece,  

todos esperam que tu lançarás uma repreensão pesada,  

uma recriminação dura, uma condenação inequívoca por aquilo que cometeu.

E afinal, Jesus, tu fazes-te seu convidado, vais para casa de um usurário.  

Assim tu lhe mostras um amor inesperado,  

considera-lo ainda filho de Abraão e ofereces-lhe a tua misericórdia.

E ele, Zaqueu, sem que ninguém lho tenha pedido,  

muda decididamente de rota.

Ámen                                

 

(In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de fr. José Augusto)

 


eşya depolama izmir escort kartal escort gebze escort antalya escort şişli escort ümraniye escort anadolu yakası escort saç ekimi porno erotik film mecidiyeköy escort anadolu yakası escort 1xbet best10 erotik film
gaziantep escort