Encontro com a Palavra de Deus – XXVIII Domingo do Tempo Comum - ANO C

XXVIII DOMINGO TEMPO COMUM – ANO C

    

                           13 de Outubro de 2019

 

AS LEITURAS DO DIA 

 

2Reis 5, 14-17: Naamã foi ter com o homem de Deus.

Salmo 97: Diante dos povos manifestou Deus a salvação.

2Tim 2, 8-13: Se sofremos com Cristo, também com Ele reinaremos.

Evangelho Lc 17, 11-19: Jesus, Mestre, tem compaixão de nós.

 

A PALAVRA É MEDITADA

Não é fácil pôr-se no lugar dos leprosos que viviam na época de Jesus, porque a lepra não era uma doença qualquer. Não atacava só o corpo, que aos poucos se desfigurava, até criar horríveis máscaras de dor, membros dilacerados e deturpados.

A lepra obrigava a sair da própria aldeia, da própria casa. Assim, precisamente quando se tinha maior necessidade de conforto e da assistência dos familiares, era-se obrigado a separar deles. Porquê uma lei tão desumana? Porquê o medo do contágio, a necessidade de se precaver de qualquer contacto levava a outras medidas mais drásticas.

E depois … não se era apenas rejeitados, marginalizado, abandonados a si próprios. Insinuava-se muitas vezes a suspeita que uma doença do género não podia não ser um castigo de Deus por alguma culpa escondida. Assim a lepra de doença tremenda tornava-se também uma espécie de marca infamante.

Eis o que estavam a viver aqueles dez que encontram Jesus. Estão na mais penosa situação de necessidade. E, todavia, estão atentos a não infringir as normas estabelecidas. Pararam "a distância" e, para se fazer ouvir, "levantam a voz". A sua è uma súplica dramática: "Jesus, mestre, tem piedade de nós!".

À primeira vista poderiamos concluir: que grande fé! Dirigem-se a Jesus porque è Ele o único que pode fazer o milagre, o único a tirá-los para fora daquela situação tão desoladora...E afinal não. Do que se segue na narração é lícito concluir que só para um dos dez, aquele foi um encontro de graça, que mudou a vida. Porque só ele tinha verdadeiramente fé em Jesus.  

Os outros nove tinham sido levados pela necessidade, pela angústia, pelo sofrimento. Pensavam na cura. Aquilo que lhes interessava era a cura, não Jesus. Não a sua mensagem, não uma relação autêntica com Ele.  

Só um vota atrás, portanto. E é um estrangeiro, um samaritano. Um que, afinal de contas, não pertence sequer ao povo de Israel, e cuja religião era um pouco herética.  

É este que torna, e se deita aos pés de Jesus para lhe agradecer. Aquele gesto, as palavras que o acompanham, são o sinal da fé. De uma fé que, através do sinal, chega àquele que o cumpriu. Através da graça, dá início a uma relação. Através da cura chega à salvação.

É claro, então, que todos os dez foram curados, mas só um recebeu a salvação. Os dez viram curado o seu corpo, mas só um foi completamente transformado: no coração, na alma, na existência.  

Devemos perceber atrás do pedido urgente de milagres um indício leve de fé? O Evangelho de hoje convida-nos a discernir: se aquilo que está a peito è a relação com Deus, sim. Se esta relação não conta mais que tanto, não. É apenas uma questão de necessidade.

 

 

A PALAVRA É REZADA

Sim, só um voltou atrás e os seus gestos mostram

aquilo que passa pelo seu coração.

Teria muitas razões para correr para casa,

para abraçar os seus, para se mostrar aos amigos

e anunciar que a sua prova acabou.

E afinal não, volta primeiro a ter contigo, Jesus.

Para fazer o quê?

Louva a Deus em voz alta porque na sua cura

vê um sinal da sua bondade,

da sua misericórdia que opera através de ti.

E depois se prostra aos teus pés,  

reconhece que não és uma pessoa qualquer.

Tinham-te chamado “Mestre”,

mas agora, depois daquilo que lhes aconteceu

não te pode tratar só como um sábio das Escrituras:

tu és muito mais, és aquele que salva,

que arranca ao poder do mal e do pecado,

tu fazes florir a esperança,

dando a purificação desejada.

Senhor Jesus, as coisas não mudaram muito:

Também hoje, no fundo, há tanta gente

que vive como se tudo lhe fosse devido,

que gere o seu tempo ignorando-te,

que considera ser dona

da sua vida e das suas capacidades

e não sente a necessidade de agradecer a Deus.

 

Ámen                               

 

(In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de fr. José Augusto)

 


eşya depolama izmir escort kartal escort gebze escort antalya escort şişli escort ümraniye escort anadolu yakası escort saç ekimi porno mecidiyeköy escort anadolu yakası escort 1xbet best10
gaziantep escort