Encontro com a Palavra de Deus – V DOMINGO DA PÁSCOA – ANO B

V DOMINGO DE PÁSCOA

    

29 de Abril de 2018

 

AS LEITURAS DO DIA

Act 9, 26-31: Entretanto a Igreja gozava de paz.

Salmo 21: Eu Vos louvo, Senhor, no meio da multidão.

1Jo 3, 18-24: Não amemos por palavras, mas com obras e em verdade.

Evangelho Jo 15, 1-8: Quem permanece em mim, esse dá muito fruto.

 

A PALAVRA É MEDITADA

O rebento que na videira não produz fruto é tirado porque desfruta a linfa. Está sempre ligado à videira, mas isto não é suficiente para produzir frutos... a linfa que passa deve encontrar no rebento a força da geração, da vitalidade de se multiplicar... Permanecer na videira comporta uma disposição particular: deixar-se podar. Quem não aceita a poda, torna-se estéril porque a linfa, embora o atinja, não encontra a capacidade de vida.

Quanta responsabilidade em acolher aquilo que Deus nos oferece. A única palavra: poda faz-nos colocar na defensiva, quase uma mutilação daquilo que se é... E afinal é dar àquilo que se é a força necessária para ser plenamente. Permanecer em Cristo não é uma coisa dada por descontada para quem tem fé, na medida em que o permanecer comporta adesão não ao tronco da videira, mas à lógica da vida.

Sem Cristo nós não podemos nada. Os frutos são o resultado d aunião com Ele. Quem não saboreia os frutos da linfa que escorrendo em si deixa germinar rebentos vigorosos, seca-se e acba como tudo aquilo que é inutil: é queimado. A linfa da vide, isto é a Palavra de Deus feita carne, Jesus Cristo, é a possibilidade de viver da vida divina até fazer própria a vontade do Pai e a pedir aquilo que Ele quer. Unidade de sentimentos, unidade de intentos, unidade de operar: destes frutos de pertença pode-se ver quanto somos discípulos. O sarmento não se pode tornar vide e nem sequer o deseja, porque já o é: uma única coisa com Aquele que é o motivo do seu existir.

Permanecer em Cristo... Dizemos de ser seus, conhecemos o seu pensamento, e porque é que não convertemos as nossas ideias, convicções, projectos ao seu pensamento? Dizemos tê-lo encontrado, e porque é que não vivemos o seu estilo de encontro com os outros? Hostilidades, recusas, diferenças, maledicências não são o estilo de Cristo. Comemos esta linfa esperamos por acaso continuar a viver?! Ou não estaremos a envenenar os nossos dias porque não podamos de nós estas modalidades de relação com quem se aproxima de nós?! Cristo é a nossa Páscoa! Se gostamos de morrer, a cruz nunca nos abandonará, e será para nós condenação... Se nos agrada viver, os dois lenhos da cruz tornar-se-ão nas mãos de Deus tesouras de poda, que eliminando em nós aquilo que é estéril, criarão espaço à vida nova.

 

A PALAVRA É REZADA

Ao ouvir a tua palavra hoje, senti, ó Senhor,

Toda a tua intensa comoção

Que sentiste ao convidares os teus discípulos durante a última ceia

A serem uma só coisa contigo e entre eles.

Aquele «permanecei em mim e eu em vós»

É uma vibração de teu coração e tem o significado

De «morar em ti e tu em nós».

Senhor, faz de verdade, que eu tome morada dentro de ti

Já que te pertenço como membro vivo do teu corpo.

Faz Senhor, que tenha sempre viva

a certeza que também tu moras em mim

já que não podes viver longe de mim.

Moramos juntos sempre, ó Senhor,

Porque pertencemos um ao outro,

Constituindo juntos o admirável mistério

Do teu corpo místico, da tua santa Igreja.

Ámen.

(In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de fr. José Augusto)

 


eşya depolama izmir escort kartal escort gebze escort antalya escort şişli escort ümraniye escort anadolu yakası escort saç ekimi porno mecidiyeköy escort anadolu yakası escort 1xbet best10
gaziantep escort