Encontro com a Palavra de Deus – V DOMINGO DA QUARESMA – ANO B

V DOMINGO DA QUARESMA - ANO B  

    

18 de Março de 2018

 

 

AS LEITURAS DO DIA 

Jer 31, 31-34: Estabelecerei uma aliança nova.

Salmo 50: Dai-me, Senhor, um coração puro.

Heb 5, 7-9: Aprendeu a obediência e tornou-se causa de salvação eterna.

Evangelho: Jo 12, 20-33: Se o grão de trigo, lançado à erra, morrer, dará muito fruto.

 

A PALAVRA É MEDITADA

Aproximamo-nos da Páscoa, da «hora» de Jesus para usar a linguagem do evangelista João. É antes de mais a «hora da morte», e portanto o momento da grande crise de Jesus, mas também de todos os homens. Paixão e morte são as duas companheiras não amigas de todo o ser vivo. Para «ver Jesus», como os gregos do Evangelho de hoje (v. 21), é preciso reconhecer a vida dentro da morte, os sinais da «glória-presença de Deus» nas feridas da paixão: na «sua» paixão-morte, na «nossa» paixão-morte.

Interessante é o pedido destes gregos que, encontrando-se em Jerusalém para a Páscoa hebraica, e levados por um vivo desejo, pedem ao apóstolo Filipe: «Queremos ver (=crer em) Jesus». Este é o pedido que, através dos séculos, se puseram muitos dos homens que ouviram falar de Jesus de Nazaré. Também no nosso tempo, muitos continuam a exprimir este vivo desejo, hoje mais do que nunca, diante da gradual perda da humanidade que cai no ódio e na violência. Hoje é sempre mais forte o grito: «Queremos ver Jesus», «Queremos conhecer quem é verdadeiramente Jesus», com a esperança de encontrar nele uma de vida e a libertação das várias escravidões.

A Palavra de Deus da Liturgia de hoje guia-nos em tal procura. A qual é tanto mais necessária, enquanto e corre frequentemente o risco de construir um Jesus segundo os gostos e a mentalidade das pessoas, feito à nossa imagem e semelhança, não respeitando a novidade e a originalidade de Jesus.

Jesus vai logo ao coração da questão dos gregos falando da sua «hora» (v. 22), isto é «a hora da paixão, morte e ressurreição. O evento da cruz revela-nos o verdadeiro rosto de Jesus na sua relação singular de Filho com o Pai. O próprio Jesus convida os interlocutores a pararem não tanto nos seus discursos ou nos seus milagres, quanto a olharem para a cruz, momento fundamental para compreender toda a história e a sua missão salvífica.

Para nos fazer conhecer o seu mistério mais profundo, Jesus fala do evento último da sua vida: a cruz. A cruz é «a hora» para a qual a vida de Jesus está orientada desde o início e representa a realização de toda vida terrena de Jesus.

«Eu, quando for elevado da terra, atrairei todos a mim»: nesta frase está expressa a fecundidade do dom total de Cristo. A cruz de Cristo torna-se assim construtora de comunidade; evidencia a sua capacidade de actracção. Mas antes de chegar à glória do Pai, Jesus deve necessariamente passar através da noite da paixão e da morte. E com uma breve parábola ilustra o sentido profundo da sua paixão iminente, qual nascente de vida através da morte e na morte: «Se o grão de trigo caído na terra não morre, fica só; se morrer, produz muito fruto» (v. 23).

Também para a Igreja, como Jesus, é «a hora da paixão-glorificação». A parábola do grão de trigo traça perfeitamente a vida do crente, da comunidade cristã e de todos os homens: «perder a vida» pelos outros, através do dom de si mesmos e o compromisso do serviço.  

A estrada do discípulo e da comunidade cristã que pretendem seguir Jesus é a da cruz. Ela permanece um ponto fixo e uma dimensão constitutiva d avida cristã, e se por um lado amortece entusiasmos excessivos, por outro lado corrige toda a forma de desconfiança e de pessimismo. É necessário a consciência que a glorificação chegará sempre através «do perder a vida pelos outros», assim como fez Jesus.

 

A PALAVRA É REZADA

É a história do grão de trigo que deve morrer na terra  

se quer produzir fruto.  

É a tua história, Jesus, da tua vida dada inteiramente à humanidade,

posta nas mãos dos homens, do teu amor que não põe limites

porque acolhe também o sofrimento,  

a injustiça e até mesmo a morte.

E é quanto acontece a cada nossa existência:  

Só se aceitar dar-se, repartir-se, oferecer-se,

apodrecer, é que conhece uma plenitude  

e uma fecundidade imprevistas e inauditas.  

Não é difícil compreender esta verdade: é duro vivê-la, até ao fim.

Numa época em que a palavra de ordem é a auto afirmação,  

em que se coloca sempre no primeiro lugar o sucesso,  

a vantagem pessoal, os próprios direitos inalienáveis,  

não é fácil estar dispostos a sacrificar-se,  

a renunciar às próprias aspirações legítimas,  

aos próprios projectos bem construídos para colocar ao serviço dos outros

não só o próprio tempo, os próprios talentos, mas até a si próprios.

E contudo está é a estrada que tu traçaste e percorreste,

estrada de morte e de ressurreição.

Ámen.

 

 

 (In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de fr. José Augusto)

 


eşya depolama izmir escort kartal escort gebze escort antalya escort şişli escort ümraniye escort anadolu yakası escort saç ekimi porno mecidiyeköy escort anadolu yakası escort 1xbet best10
gaziantep escort