Encontro com a Palavra de Deus – SOLENIDADE DE PENTECOSTES – ANO B

SOLENIDADE DE PENTECOSTES – ANO B

    

20 de Maio de 2018

 

AS LEITURAS DO DIA

Act 2, 1-11: Todos ficaram cheios do Espírito Santo.

Salmo 103: Mandai senhor o vosso Espirito, e renovai a terra.

1Cor 12, 3-7.12-13: O Espirito santo é a alma da Igreja.

Evangelho Jo 20, 19-23: Recebei o Espirito Santo.

 

A PALAVRA É MEDITADA

Origens da festa

No povo de Israel a festa era inicialmente denominada “festa da ceifa” e “festa dos primeiros frutos”; celebrava-se no 50° dia depois da Páscoa hebraica e marcava o início da ceifa do trigo; nos textos bíblicos é sempre apresentada como uma alegre festa agrícola.

É chamada também “festa das Semanas”, por causa da sua ocorrência de sete semanas depois da Páscoa; em grego ‘Pentecostes’ significa 50º dia. O termo Pentecostes, referindo-se à “festa das Semanas”, é citado em Tobias 2,1 e 2 Macabeus, 12, 31-32.

Portanto a finalidade primitiva desta festa, era o agradecimento a Deus pelos frutos da terra, a que se juntou mais tarde, a lembrança do maior dom feito por Deus ao povo hebreu, isso é, a promulgação da Lei de Moisés no Monte Sinai.
Segundo o ritual hebraico, a festa comportava a peregrinação de todos os homens a Jerusalém, a abstenção total de qualquer trabalho, uma reunião sagrada e sacrifícios particulares; e era uma das três festas de peregrinação (Páscoa, Cabanas, Pentecostes), que todos os judeus devotos eram convidados a celebrar em Jerusalém.

A descida do Espirito Santo

O episódio da descida do Espirito Santo é narrado nos Actos dos Apóstolos, capitulo. 2; os apóstolos juntamente com Maria, a Mãe de Jesus, estavam reunidos em Jerusalém, no Cenáculo, provavelmente na casa da viúva Maria, mãe do jovem Marcos, o futuro evangelista, onde depois passaram a reunir-se habitualmente quando estavam na cidade; e como era tradição, tinham chegado a Jerusalém os judeus em grande número, para festejar o Pentecostes com a peregrinação, tal como era previsto.

“Quando chegou o dia de Pentecostes, encontravam-se todos reunidos no mesmo lugar. Veio subitamente, vindo do céu um rumor semelhante a forte rajada de vento, que encheu toda a casa onde se encontravam. Apareceram-lhes línguas de fogo, que se iam dividindo e poisou uma sobre cada um deles; e eles ficaram cheios do Espirito Santo e começaram a falar outras línguas, conforme o Espirito lhes concedia que se exprimissem. Encontravam-se em Jerusalém judeus piedosos, de todas as nações que há debaixo do céu. Ao ouvir aquele ruido, a multidão reuniu-se e ficou muito admirada, pois cada qual os ouvia falar na sua própria língua. Atónitos e maravilhados, diziam: ‘não são todos galileus os que estão a falar? Então como é que os ouve cada um de nós falar na sua própria língua?…”

A passagem dos Atos dos Apóstolos, escritos pelo evangelista Lucas em grego cuidado, continua com a primeira pregação do apóstolo Pedro, que juntamente com Paulo, narrado nos capítulos sucessivos, abrem o cristianismo ao horizonte universal, sublinhando a unidade e a catolicidade da fé cristã, dom do Espirito Santo.

O Espirito Santo

É o nome da terceira pessoa da SS. Trindade, princípio de santificação dos fiéis, de unificação da igreja, de inspiração nos autores da Sagrada Escritura. É aquele que assiste o magistério da Igreja e todos os fiéis no conhecimento da verdade (é chamado também ‘Paráclito’, isto é, ‘Consolador’).

O Antigo Testamento, não contém uma verdadeira e própria indicação sobre o Espirito Santo como pessoa divina. O “espírito de Deus”, aparece como força divina que produz a vida natural cósmica, os dons proféticos e os outros carismas, a capacidade moral de obedecer aos mandamentos.

No Novo Testamento, o Espirito aparece por vezes ainda como força impessoal carismática. Juntamente porém, acontece a revelação da ‘personalidade’ e da ‘divindade do Espirito Santo, especialmente no Evangelho de São João, onde Jesus aforma que pede ao Pai para que mande o Paráclito, que permanece sempre com os seus discípulos e os ensine na verdade (Jo. 14-16) e em São Paulo, onde a doutrina do Espirito Santo está unida com a da divina redenção.
O magistério da Igreja ensina que a terceira Pessoa procede da primeira e da segunda, como de um só princípio e como eles recíproco amor; que o Espirito Santo é enviado pelo caminho da ‘missão’ no mundo, e que esse ‘inabita’ na alma de quem possui a Graça santificante.

Concedido a todos os batizados (1 Coríntios, 12, 13), o Espirito funda a igual unidade de todos os crentes. Mas ao mesmo tempo, enquanto confere carismas e ministérios diversos, o único Espirito, constrói a Igreja com o contributo de uma multiplicidade de dons.

O ensinamento tradicional, seguindo um texto de Isaías, (11, 1 ss) enumera sete dons particulares, sabedoria, intelecto, conselho, fortaleza, ciência, piedade e temor de Deus. Esses são dados inicialmente com a graça do Batismo e confirmados pelo Sacramento do Crisma.

Simbologia

O Espirito Santo, rarissimamente foi representado sob forma humana; enquanto na Anunciação e no Batismo de Jesus é sob a forma de pomba, e na Transfiguração é como uma nuvem luminosa.

Mas no Novo Testamento, o Espírito divino é explicitamente indicado, como línguas de fogo no Pentecostes e como sopro no Evangelho de João (20, 22); “Jesus disse-lhes de novo: A Paz esteja convosco! Como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós. Depois de ter dito isto, soprou sobre eles e disse: Recebei o Espirito Santo; a quem perdoardes os pecados, serão perdoados e a quem não os perdoardes não serão perdoados”.

O Espirito Santo, várias vezes preanunciado nos Evangelhos por Jesus, foi sobretudo comparado ao fogo que como a água é símbolo paradoxal de vida e de morte.

Em todas as religiosidades, o fogo tem um lugar fundamental no culto e é muitas vezes símbolo da divindade e como tal adorado. O deus sumério do fogo, Gibil, era considerado portador de luz e de purificação; em Roma havia uma chama sempre acesa guardada pelos Vestal, símbolo de vida e de força.

No Antigo Testamento, Deus revela-se a Moisés sob a forma de fogo na sarça-ardente que nãos e consome; na coluna de fogo Deus ilumina e guia o povo hebraico nas noites do Êxodo; durante a entrega das Tábuas da lei a Moisés, pela presença de Deus o Monte Sinai estava todo envolvido de fogo.

Nas visões proféticas do Antigo Testamento, o fogo está sempre presente e Deus aparecerá no fim dos tempos com o fogo e fará justiça sobre toda a terra; também no Novo Testamento, João Baptista anuncia Jesus como aquele que batiza em Espirito Santo e fogo (Mateus, 3, 11).


O Pentecostes no cristianismo

Os cristãos chamaram Pentecostes, ao período de 50 dias depois da Páscoa. A quanto parece, foi Tertuliano, apologista cristão (155-220), o primeiro a falar disto como de uma festa particular em honra do Espirito Santo. No final do século IV, o Pentecostes era uma festa solene, durante a qual era conferido o Batismo a quem não o tinha podido receber durante a Vigília Pascal.

As constituições apostólicas testemunham a Oitava de Pentecostes para o Oriente, enquanto no Ocidente aparece na idade carolíngia. A Oitava litúrgica conservou-se até 1969; enquanto os dias festivos de Pentecostes foram reduzidos em 1094, aos primeiros três dias da semana; reduzidos a duas das reformas do século XVIII.

No início do XX século, foi eliminado também a segunda-feira de Pentecostes, que no entanto é conservada como festa em França e nos Países protestantes. A Igreja, na festa de Pentecostes, vê o seu verdadeiro ato de nascimento de início missionário, considerando-a juntamente com a Páscoa, a festa mais solene de todo o calendário cristão.


O Pentecostes na arte

O tema do Pentecostes, tem uma vasta iconografia, particularmente na arte medieval, que fixou o uso de representar o Espirito Santo que desce sobre a Virgem e sobre os apóstolos no Cenáculo, sob a forma simbólica de línguas de fogo e não de pomba.

O esquema compositivo lembra muitas vezes o da Última ceia, encontrando-se no mesmo lugar, isto é, o Cenáculo, e o mesmo grupo de pessoas: Jesus é substituído por Maria e o lugar deixado vazio por Judas é ocupado por Matias. Vem assim a comunicar-se o valor da unidade da agregação e sucessão apostólica, além da sua disposição a alcançar os confins do mundo.

Na Liturgia

O Espirito Santo é invocado na administração dos Sacramentos e como verdadeiro protagonista no Batismo e no Crisma e com a liturgia solene na Ordem Sacra; e em cada cerimónia litúrgica, onde se implora a ajuda divina, com o magnífico e sugestivo hino do “Veni Creator”, cujo texto em latim é incomparável.

 

A PALAVRA É REZADA

Vem, Espirito Santo,

ilumina o nosso caminho.

Não permitas que fiquemos desorientados

pelo brilho de promessas mirabolantes,

nem enfeitiçados por caminhos fáceis

que não conduzem à felicidade

e nos abandonam à nossa fraqueza.

Vem, Espirito Santo, recorda-nos as palavras de Jesus

e dá-nos a força de seguir os seus passos.

Levanta-nos quando caímos

por causa da nossa fragilidade e do nosso orgulho

e cura-nos as feridas que trazemos dentro.

Vem, Espirito Santo, revela-nos o verdadeiro rosto do Senhor Jesus

para que a nossa relação com Ele seja sólida e rica de frutos.

Arranca-nos à tentação de nos construirmos um Deus à nossa imagem

e acende em nó o desejo do Deus vivo e verdadeiro.

Vem, Espirito Santo, queima tudo o que dentro de nós

nos impede de ser límpidos e generosos,

misericordiosos e benévolo e torna-nos sábios e fortes

para que possamos ser testemunhas credíveis

e dar a todos razão da esperança deposta em nós.

Ámen.

 

 

(In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de fr. José Augusto)

 


eşya depolama izmir escort kartal escort gebze escort antalya escort şişli escort ümraniye escort anadolu yakası escort saç ekimi porno mecidiyeköy escort anadolu yakası escort 1xbet best10
gaziantep escort