Encontro com a Palavra de Deus – XX Domingo do Tempo Comum - ANO C

XX DOMINGO TEMPO COMUM – ANO C

    

                           18 de Agosto de 2019

 

AS LEITURAS DO DIA 

 

Jer 38, 4-6.8-10: Geraste-me como homem de discórdia para toda a terra.

Salmo 39: Senhor, socorrei-me sem demora.

 

Heb 12, 1-4: Corramos com perseverança para o combate.

Evangelho Lc 12, 49-53: Não vim trazer a paz, mas a desunião.

 

A PALAVRA É MEDITADA

"Vim trazer o fogo à terra, e que quero Eu senão que ele se acenda!" "Pensais que Eu vim estabelecer a paz na terra? Não, Eu v odio, mas a divisão. A partir de agora, estarão cinco divididos numa casa: três contra dois e dois contra três; estarão divididos o pai contra o filho e o filho contra o pai...".

Frases como estas, pronunciadas por Jesus e referidas no evangelho de hoje (Luca 12,49-53), surpreendem e desconcertam. Vários têm presente a imagem dele que cura os doentes, acolhe as crianças, mata a fome às multidões e assim por diante; dele que prega a bondade e o perdão; dele incompreendido e maltratado, que se rende aos seus inimigos levando a cruz sem se revoltar.

Um Jesus "incendiário" e causa de lutas e divisões ninguém o imagina; e no entanto, uma leitura não superficial do evangelho encontraria não poucas referências àquelas palavras, a começar pelo seu pré-anúncio, quando Ele ainda estava nas fraldas, e acolhendo no templo, o velho Simeão disse a sua mãe: "Este menino está aqui para a queda e o ressurgimento de muitos em Israel e como sinal de contradição" (Luca 2,34).

Contradição: pode ser esta a palavra-chave para compreender o real alcance das desconcertantes frases de Jesus. Os contrastes, as divisões, o simbólico fogo, Ele não os quer, mas realisticamente prevê-os, entre quem o acolhe e quem o rejeita; Ele ama a paz, mas não a todo o custo: não a custo de verdade e justiça. Para quem adere à verdade por Ele revelada, pela fé Nele, Ele pré-anuncia conflitos e perseguições, subintendendo que não se pode calar ou transcurar a fé só para não ter problemas, per evitar incompreensões e conflitos, em suma para "viver em paz". Obviamente não se trata aqui de repetir os trágicos erros do passado, quando se procurou impor a adesão à fé (e não apenas à fé cristã) com a força. Pelo contrário, trata-se de não seguir as ideias de quem quereria lançar a esfera religiosa no privado, e quem tem fé "a tivesse para si"; trata-se, sem impor a ninguém as normas sugeridas pela fé, de não a esconder e comportar-se, no privado como na vida pública, segundo quanto essa requer, custe o que custar.  

Penso que se de interpretar em tal sentido também o repetido convite dirigido pelo Papa Francisco aos jovens (e não só) de sair dos guetos em que tantos cristãos tendem a fechar-se (a própria família, a própria associação, a própria paróquia) e não ter medo de testemunhar ao mundo Aquele que constitui a sua esperança.

A este propósito cai oportuna a segunda leitura (Carta aos Hebreus 12,1-4; recordamos: os Hebreus a quem é dirigida são aqueles que tinham reconhecido em Jesus o Messias anunciado pelos profetas, o Filho de Deus, o Redentor: isto é, tinham-se tornado cristãos). A passagem apresentada hoje compara a vida a uma corrida, durante a qual é preciso não se deixar apanhar pelo cansaço, considerando os exemplos oferecidos por tantos cristãos admiráveis e, acima de todos, pelo próprio Senhor: "Irmãos, também nós, rodeados de tal multidão de testemunhas, tendo deposto tudo aquilo que é de peso e o pecado que nos assedia, corramos com perseverança na corrida que está à nossa frente, tendo fixo o olhar em Jesus, Aquele que dá origem à fé e a leva à realização.  

Ele, diante da alegria que lhe era posta na frente, submeteu-se à cruz, desprezando a desonra, e sentou-se à direita do trono de Deus. Pensai atentamente naquele que suportou contra si uma tão grande hostilidade dos pecadores, para que não vos canseis perdendo-vos de ânimo. Ainda não resististes até ao sangue na luta contra o pecado".

Um aluta até ao sangue: ninguém, pelo menos em Portugal, arrisca o martírio. Motivo a mais para ser coerentes, para evitar o pecado: também o de fingir que não nos importa com Ele.

 

A PALAVRA É REZADA

 

Quem tem medo do sofrimento, Jesus

quem sente alergia a qualquer sacrifício,

quem se mantém à devida distância

de qualquer conflito e tensão,

quem não deseja correr riscos

e tanto menos enfrentar dificuldades,

hostilidades, recusas, marginalização:

pois bem, todos estes façam bem as suas contas

antes de se meterem na aventura que tu colocas a todo o discípulo.

Tu não vieste para fazer de bombeiro, mas o incendiário;

tu não procuras acima de todas as coisas

a calma e a tranquilidade,

tu estás disposto a pagar o preço

de uma paz difícil porque fundada sobre a verdade e a justiça.

Tu não aprovas os compromissos

que garantem alianças vantajosas,

mas adormecem as consciências.

Tu não és daqueles que escolhem a conspiração

porque a denúncia do mal faz correr o perigo de represálias.

Tu acetas fazer a tua parte

até ao fim, sem subterfúgios ou descontos

e expões-te ao ódio e à vingança

de tantas pessoas que te farão pagar.

Tu pedes a quem te quer seguir que percorra a tua mesma estrada

e portanto, que passe também por aquela colina

onde tu foste pregado numa cruz.

Não obrigas ninguém a vir atrás de ti,

mas poes claramente as condições.

Ámen                               

 

(In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de fr. José Augusto)

 


eşya depolama izmir escort kartal escort gebze escort antalya escort şişli escort ümraniye escort anadolu yakası escort saç ekimi porno erotik film mecidiyeköy escort anadolu yakası escort 1xbet best10 erotik film
gaziantep escort