Encontro com a Palavra de Deus – XXXI DOMINGO TEMPO COMUM – ANO B

XXXI DOMINGO TEMPO COMUM – ANO B

    

                           4 de Novembro de 2018

 

AS LEITURAS DO DIA 

Deut 6, 2-6: Escuta Israel: Amarás o Senhor com todo o teu coração.

Salmo 17: Eu vos amo Senhor, Vós sois a minha força.

Heb 7, 23-28: Porque permanece para sempre, possui um sacerdócio eterno.

Evangelho Mc 12, 28-34: Amarás o Senhor teu Deus. Amarás o teu próximo.

 

A PALAVRA É MEDITADA

Não estamos longe

Um escriba aproxima-se de Jesus … estamos habituados a ver os escribas como hipócritas e adversários de Jesus, mas este episódio é bem diverso, também das narrações paralelas de Mateus e Lucas. Marco usa três verbos que nos transmitem a atitude positiva, quase simpática, em relação ao Senhor: o aproximar-se, a escuta, o tomar consciência. Jesus tinha discutido com os fariseus e os saduceus (pertencentes a duas fações ou movimentos religiosos diferentes) acerca da ressurreição e tinha concluído dizendo: «não lestes no livro de Moisés, no episódio da sarça-ardente, como Deus lhe falou dizendo: Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac, e o Deus Jacob? Não é Deus de mortos, mas de vivos! Vós andais muito errados». Esta resposta, para um conhecedor da Escritura como um escriba, devia ter agradado muito, tinha compreendido o sentido da fidelidade a Deus e à sua Palavra, por nada formal, ou catedrática e levou-o a pôr a Jesus uma questão?

«Qual é o primeiro de todos os mandamentos?».

Havia nas escolas rabínicas a procura, talvez mais formal que substancial, para estabelecer a hierarquia entre os 613 preceitos que se encontram na Torá. A pergunta que este escriba coloca parece ter um sentido diverso porque quer saber qual é o primeiro mandamento em absoluto (de todos - pànton); a sua preocupação parece ser a de procurar o fundamento e a essência da Lei, o principio fundante da sua Fé.

Jesus responde juntando duas citações da Escritura (Dt 6, 4-5 e Lv 19, 18) ligadas pelo mesmo verbo «amar» (agapào) conjugado na segunda pessoa no imperativo futuro, não para indicar duas prescrições semelhantes, mas antes para colocar como fundamento de toda a Lei a relação entre Deus e o homem, entre o Outro e o próximo. O homem aproxima-se de Deus (o totalmente Outro) na relação com o próximo, e a relação com Deus substancia o seu aproximar-se ao próximo. Pode parecer ilógico que uma capacidade natural do homem, tenha necessidade de ser comandada. Aquilo que é pedido é um compromisso real e activo em que a medida é o outro, isto é o difícil. Esta dupla relação de amor encontra a sua origem na escuta; o primeiro e substancial mandamento é Escuta Israel (shema' Israel): uma escuta profunda que faz meter o coração do homem junto do coração de Deus.

«Disseste bem, Mestre, e segundo verdade»

Como bom conhecedor da Escritura o escriba acolhe a resposta de Jesus ligando-a à palavra dos Profetas: não há outros fora dele  (Is 45, 21-22); vale mais que todos os holocaustos e sacrifícios  (Os 6,6). Ao mesmo tempo, porém, insinua-se uma diferença profunda pondo o verbo amar no infinito: a palavra torna a ser um preceito genérico, uma abstração, uma regra e perde a profundidade da relação eu-tu: o eu Deus e o teu próximo. Deus e o próximo, aqueles que são outro, diverso-de-nós, passam para segundo plano relativamente à absolutização da regra com que eu me devo confrontar e de que sou a medida.

Também a alma e a mente se tornam inteligência. O amor para com Deus, tinha dito jesus, compromete o homem com todo o seu ser: "coração", "alma", "mente" e "força". O escriba empobrece a mensagem do Mestre e evidencia a dificuldade do homem que tirando e acrescentando mostra a sua fadiga em acolher plenamente o Evangelho de Jesus.


«Não estás longe do reino de Deus».

O caminho par ao reino de Deus ainda é longo, o escriba como cada um de nós, não está longe, já é capaz de o perceber e compreender. O de Jesus não é uma recriminação, mas antes um convite cheio de afecto para que possamos, todos os dias encher a distância entre o impulso natural do amor pleno, total, sem limites nem confins. Esta é a bela notícia que o Senhor dá ao escriba e a cada um de nós.

 

A PALAVRA É REZADA

A resposta que deste é clara:

o essencial na vida é amar o próximo.

Somos sempre tentados em separar Deus do próximo,

mas tu não queres porque o amor é único.

Toda a criação é uma floração de ti

e não podemos então amar-te  

e não amar aquilo que criaste.

Tu és um Deus ciumento e queres que te amemos,  

Que estás presente em todo o homem.

Apanhados pelo teu ciúme como podemos não te amar?

Mas se te amamos como podemos não amar todos os nossos irmãos

que são “tua imagem e semelhança”?

Chamaste-nos, Senhor,

a ligar o mundo com a tela do amor.

Ajuda-nos a despertar o mundo,

que dorme a sua noite de ódio e de violência,

com o fresco canto do amor

que é em nós vida e trabalho, oração e poesia,

luta e contemplação, horizonte e fronteira de cada dia.

 

Ámen.                                    

 

 

 

(In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de fr. José Augusto)

 


eşya depolama izmir escort kartal escort gebze escort antalya escort şişli escort ümraniye escort anadolu yakası escort saç ekimi porno mecidiyeköy escort anadolu yakası escort 1xbet best10
gaziantep escort