Encontro com a Palavra de Deus – II Domingo do Advento

4 de Dezembro de 2016       

ANO A

 

AS LEITURAS DO DIA 

Is 11, 1-10: Julgará os infelizes com justiça.

Salmo 71: Nos dias do Senhor, nascerá a justiça e a paz para sempre.

Rom 15, 4-9: Cristo salva todos os homens.

Evangelho Mt 3, 1-12: Arrependei-vos, porque está perto o reino dos céus.

 

A PALAVRA É MEDITADA

João Baptista aparece na cena do evangelho de forma imprevista. A sua tarefa é a de «preparar o caminho ao Senhor», anunciando a sua vinda que está iminente. Apresenta-se como um asceta do deserto, vestido com roupas grosseiras, e uma cintura de pele à volta dos rins. Mas não convida os homens a serem ascetas como ele. Preparar a estrada ao Senhor é outra coisa. Eis como João Baptista a exprime: «Convertei-vos, porque o Reino de Deus está próximo… Não penseis que podeis dizer entre vós: temos Abraão como pai. Digo-vos que Deus pode fazer surgir filhos de Abraão até das pedras. O machado está à raiz das árvores: toda a árvore que não produz bons frutos será cortada». Portanto, são sobretudo duas as coisas que João considera urgentes: converter-se e não se aninhar numa segurança ilusória. Converter-se é uma palavra que diz a mudança da mente e do comportamento. Não apenas uma mudança moral, nos comportamentos, mas uma mudança teológica, um modo novo de pensar Deus.           

As características, que acompanham sempre a conversão evangélica, são pelo menos três. A primeira é a radicalidade. A conversão não é uma mudança exterior ou parcial, mas é uma reorientação de todo o ser do homem. Para Jesus, trata-se de uma verdadeira e própria passagem do egoísmo ao amor, da defesa de si ao dom de si; uma passagem de tal forma renovadora ao ponto de ser incompatível com as velhas estruturas (mentais, religiosas e sociais), como o vinho novo não se pode colocar nos velhos pipos.   

Uma segunda nota da conversão evangélica é a religiosidade: não é confrontando-se consigo mesmo que o homem descobre a medida e a direcção da própria mudança, mas sim referindo-se ao projecto de Deus. E o primeiro movimento não é o do homem para Deus, mas o de Deus para o homem: é um movimento de graça que torna possível a mudança do homem e lhe oferece o modelo.     

A terceira característica, é a profunda humanidade da conversão evangélica: converter-se significa tornar a casa, uma recuperação de humanidade, um reencontrar a própria identidade. Convertendo-se o homem não se perde, mas encontra-se, libertando-se das alienações que o destroem. Mas há uma segunda exortação nas palavras do Baptista: o facto de pertencer ao povo de Abraão não é uma razão para se considerar ao seguro do juízo iminente (o machado está posto à raiz das árvores). Não é a raça que conta, nem a simples pertença institucional a este ou àquele, mas a fé. Não se pode aninhar numa fácil e descontada segurança.      

A salvação não é um facto descontado para ninguém. Também o justo deve converter-se e sair da própria visão particularística. Os filhos de Deus são de cá e de lá. Deus pode suscitar filhos de Abraão até das pedras, isto é, em toda a parte.  

Também as duas primeiras leituras propostas pela liturgia podem oferecer-nos duas indicações concretas da mudança que é necessária para se preparar para a vinda do Senhor. A (primeira leitura) sonha com um rebento novo de humanidade, que «não julgará segundo as aparências e não tomará decisões por ouvir dizer, mas julgará com justiça e os pobres e tomará decisões justas para os oprimidos do país» (Is 1,3-4). E Paulo, é mais lapidário: «Acolhei-vos uns aos outros como Cristo vos acolheu a vós» (Rm 15,7).  

A PALAVRA É REZADA         

Antes de mais peço-te perdão, Deus do “rebento” novo,

que nunca te cansas de esperar no homem, Teu amor;  

peço-te perdão pelas minhas resistências pelos meus pecados,  

pelos meus compromissos que não me fazem voar alto  

mas apenas esvoaçar em mediocridade sem fim.  

E com o perdão invoco: manda ainda entre nós, homens como João Baptista,

homens livres, corajosos, felizes de servir só a Palavra,

contentes de viver para a proclamar, capazes de a proclamarem com a vida  

de modo que as nossas igrejas se tornem credíveis  

e as casas dos pobres serão novos santuários onde cada um Te encontrará.

Ámen.

 

(In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de Fr. José Augusto)


eşya depolama izmir escort kartal escort gebze escort antalya escort şişli escort ümraniye escort anadolu yakası escort saç ekimi porno mecidiyeköy escort anadolu yakası escort 1xbet best10
gaziantep escort