Encontro com a Palavra de Deus – VI DOMINGO DA QUARESMA

VI DOMINGO DA QUARESMA

Domingo de Ramos          

9 de Abril de 2017

 ANO A

 

AS LEITURAS DO DIA 

Is 50, 4-7: O Senhor veio em meu auxílio, e não fiquei envergonhado.

Salmo 21: Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste?

Filp 2, 6-11: Aparecendo como homem, humilhou-se ainda mais.

Evangelho Mt 26, 14-27,66: Bendito o ue vem em nome do Senhor.

 

A PALAVRA É MEDITADA

Entre os numerosos aspectos que a Paixão segundo Mateus oferece à nossa reflexão, escolhi a pergunta que os apóstolos dirigem a Jesus no começo da narração: "Onde queres que preparemos para ti, para que possas comer a Páscoa?": à luz da milenária tradição hebraica – fala-se no livro do Êxodo e remonta precisamente à saída do povo de Israel do Egipto - a pergunta dos Doze é no mínimo singular: a Páscoa hebraica celebrava-se na tarde de sexta-feira; e Jesus, na tarde daquela sexta-feira, já estava morto e sepultado …  

Portanto, a que é que se referem os amigos do Senhor com aquela pergunta? Que Páscoa é que celebrarão? É a Páscoa do senhor! Já não o banquete memorial com o qual os Hebreus reviviam simbolicamente a noite da libertação da escravidão do Faraó, a noite em que o exterminador passou para matar os primogénitos do opressor, fixada desde aquela noite em 14 do mês de Nisã. Jesus substitui-a com a sua páscoa: é Ele que agora deve passar, é Ele que agora deve sofrer e morrer; porque agora deve salvar já não apenas Israel, mas a humanidade inteira da escravidão do pecado, com o sacrifício de si.  

O cordeiro imolado todos os anos pelo povo eleito, agora, é o corpo atraiçoado pelos irmãos de fé, dado pelo Pai celeste, oferecido livremente pelo Filho obediente. Assim como Ele, também nós que suportamos traições, negações, abusos … somos chamados em nome de Cristo a deixar dar, oferecendo livremente a nós próprios, até ao ponto de chegar a sofrer e a morrer. Se não morremos um pouco para nós mesmos, nem sequer ressuscitaremos aquele pouco. A páscoa de Jesus que daqui a sete dias celebraremos no sinal da luz, seja também a nossa páscoa.

 

A PALAVRA É REZADA

Senhor, vejo traído por todos!

Parece que todos te querem descarregar.

De facto, os Apóstolos dormem,  

depois escapam abandonando-te a Judas.  

Judas abandona-te aos soldados.  

Estes abandonam-te a Caifás e Anás.  

Caifás e Anás abandonam-te a Pilatos.  

Pilatos manda-te a Herodes, este manda-te para trás.  

Pilatos abandona-te aos algozes, e estes à cruz,  

à morte, ao túmulo!

Parece o fim. Mas não é assim.  

O Pai acolhe-te e faz-te Senhor dos vivos e dos mortos!

A partir deste momento, tu, o Senhor,  

estás sempre connosco! Senhor, aumenta a minha fé!

Ámen.

 

 (In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de fr. José Augusto)