Encontro com a Palavra de Deus – X DOMINGO TEMPO COMUM – ANO B

X DOMINGO TEMPO COMUM – ANO B

    

10 de Junho de 2018

 

AS LEITURAS DO DIA 

Gen 3, 9-15: Estabelecerei inimizade entre ti e a mulher.

Salmo 129: No Senhor está a misericordia e abundante redenção.

2Cor 4, 13, - 5,1: Acreditamos; por isso falamos.

Evangelho Mc 3, 20-35: Satanás está perdido.

 

A PALAVRA É MEDITADA

Jesus acabou de ser acusado de estar com o demónio no corpo, aliás, de ser Ele o chefe dos demónios. Mas Ele não se descompõe,… em vez de retorquir à acusação, afirmando que é o Filho de Deus, o pior inimigo que um demónio possa encontrar no seu caminho, Jesus desmonta a acusação dos escribas, pedaço por pedaço, trazendo ao de cima a contradição da mesma: “Como pode Satanás expulsar Satanás? Se Satanás se revolta contra si mesmo, não pode subsistir...”. 

Mas eis que chega a família de Jesus, ao completo...não propriamente ao completo… falta o seu pai: talvez o carpinteiro de Nazaré estivesse atrasado com alguma coisa? Os comentadores colocam em paralelo, praticamente sinónimos, a convicção dos fariseus – está possesso de belzebu – com a dos parentes do Senhor – está fora de si.

Os outros evangelistas não referem o comentário dos familiares … este facto torna ainda mais complicada a interpretação dos versículos em questão: quem são os seus? Da simples observação da cena, emerge imediatamente o facto da multidão de gente à volta da casa: não é para admirar que os parentes de Jesus estivessem preocupados pela sua segurança, ao ponto de correrem para o levar para casa….

Os parentes temem que a maneira de se comportar do filho de Maria possa comprometer o bom nome da família, a qual não era rica, porém, gozava de uma certa fama. Por isso terão decidido intervir para tomar o controlo da situação.

Ora, que Jesus tivesse desiludido as expectativas dos familiares, suscitando não poucas preocupações, é indicado por Marcos noutro lugar (cfr. 6,4).

A reacção de Jesus: “Quem é minha mãe? Quem são os meus irmãos?”, longe de ser uma rejeição, quer sublinhar a proximidade dele com todos aqueles que escutaram as suas palavras e se deixaram livremente envolver no seu anúncio de salvação.

A salvação pertence àqueles que assumiram o compromisso de trabalhar pelo Reino dos Céus, segundo as condições ditadas por Cristo: tomar a cruz todos os dias e segui-lo.

A fidelidade ao projecto que o Senhor nos revelou, exige a dedicação de toda a vida... e, em certos momentos da história, em certos lugares do mundo, também hoje, pode custar a vida, pode custar o martírio.

Se os parentes procuravam neutralizar a acção de Jesus em nome da normalidade e do equilíbrio - a fé cristã é por sua natureza transgressiva! Não ama a normalidade e rompe os equilíbrios consolidados  – os escribas, ao invés, vangloriam-se por um sistema religioso forte, o poder politico que agia aos níveis máximos da sociedade, com o pretexto de se colocar como directo interlocutor de Roma. Conhecemos a influência dos sumos-sacerdotes sobre o povo, ao ponto de convencer Pilatos a condenar o Nazareno.

Para a comitiva do Templo, Jesus está portanto possuído por satanás e é seu cúmplice.

Na tríplice sentença de Jesus, sobretudo na parábola da casa do homem forte, o messias resume e explica a sua missão, em termos de vitória sobre o mal libertação do mundo dos poderes demoníacos. As parábolas usadas, revelam-nos a presença de entidades negativas bem superiores à natureza... Trata-se de imagens que lembram a linguagem do AT, onde a intervenção de Deus é descrita pelo profeta Isaías como a vitória de um forte guerreiro  (49,24.25). A recusa da acção de Deus operante na pessoa de Jesus, constitui um verdadeiro insulto ao poder de Deus; é um pecado contra o Espirito, a força divina que age em Jesus desde o batismo no Jordão. O pecado contra o Espirito Santo não pode ser perdoado, não porque seja mais grave que todos dos outros pecados, mas porque representa a falta total da fé, a renúncia a converter-se e portanto à inutilidade do perdão…

A arrogância e o pretexto da autossuficiência do poder, nunca são tão funestas como quando se obstinam a querer evitar o confronto com Deus, desconsiderando a sua acção na história, refugiando-se atrás de comodo alibis de quem gostaria de cobrir os sinais da presença de Deus com a suspeita do irracional, do fideísmo, da superstição, da loucura, das forças ocultas do mal personificado...

Existe o diabo? Com certeza que existe!

Mas recordemos; quanto mais se fala do diabo, mais (o diabo) se mete nas convicções das pessoas, fomentando o medo, despertando velhos horrores…

 

A PALAVRA É REZADA

Pai santo, é a partir da nudez da nossa condição humana,

sempre ameaçada pelo pecado, que te dirigimos a nossa prece.

Por vezes assalta-nos a ideia de te louvar,

pela abundância de tantos bens...

louvar-te-iamos certamente, se a sociedade do bem estar

fosse fruto de uma vontade verdadeiramente desinteressada,

posta ao serviço do bem comum e solidário.

Felizmente, encontrámos uma pessoa lúdica

que desmonta a armadilha desta cultura de consumo.

Sim, descobrimos Jesus e o seu Evangelho!

Pai santo, o nosso único intuito é seguir Jesus.

Ele é o mais extraordinário de todos os humanos.

Aceita, ó Pai, o nosso desejo de permanecermos em comunhão com Ele

E de te louvarmos dignamente sem fim.

Ámen.

 

 

 (In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de fr. José Augusto)