Encontro com a Palavra de Deus – XXXIII Domingo do Tempo Comum - ANO A

XXXIII DOMINGO TEMPO COMUM – ANO A

    

                           15 novembro 2020

 

AS LEITURAS DO DIA 

Prov 31, 10-13.19-20.30-31: Põe mãos ao trabalho alegremente.

Salmo 127: Ditoso o que segue o caminho do Senhor.

1Tes 5, 1-6: Para que o dia do Senhor não vos surpreenda como um ladrão.

Evangelho Mt 25, 14-30: Vem tomar parte na alegria do teu Senhor.

 

 

A PALAVRA É MEDITADA

Nesta parábola, Jesus apresenta-nos um homem fantástico, que depois é Deus, que dá a cada um dos seus servos um capital enorme para administrar e vai-se embora, deixando-os livres de gerir como julgarem melhor. Confia neles. Lembremos que um talento é hoje comparável a um milhão de Euros!

Quando regressa, pede que prestem contas e a quem soube usar bem os seus dons dá ainda mais.

Infelizmente vemos que um destes, não fez frutificar o seu talento por medo e com este último zanga-se e manda-o pôr fora, mas este já está fora, porque tem medo de Deus, não se fia Dele, pelo que procura estar bem longe.

Quando é que eu sou como este homem que é posto fora, mas que de facto já está fora?

Quando vejo que em mim existe medo de Deus, quando descubro que tenho medo do seu juízo final sobre a minha vida, quando tenho medo que me peça coisas demasiado difíceis para mim, mas também quando por medo não vou ao encontro do pobre, do irmão necessitado; quando vivo estas coisas percebo que estou fora, longe de Deus, e é tempo que me ponha a rezar e a reler a Palavra, para descobrir o seu verdadeiro rosto, descobrir o seu amor e assim vencer os meus medos a favor de escolhas evangélicas, pondo no primeiro lugar não mais o medo e a desconfiança mas o mandamento do amor. Quem o conhece segue-o de boa vontade.

 

 

 

A PALAVRA É REZADA

 

Todos os dias tristes notícias
sacodem as estradas do mundo.
cada pessoa que encontramos
tem sempre para nos contar uma lágrima sofrida.
estamos todos com os olhos voltados para uma aurora serena,
que, porém, tarde a despontar.
A nós, teus filhos, ó Senhor,
confiaste a tarefa de semear esperança
onde há desespero,
pois que a tua graça colocou em nós
a semente fecunda que gera o mundo redimido e salvo.
Ajuda-nos, Senhor, a ser todos os dias
não difusores de lacrimogéneos,
mas arautos da Boa Nova que, apesar de tudo,
a história flui num jardim de salvação,
porque está firmemente segura nas tuas mãos.

Ámen

 

(In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de fr. José Augusto)