Encontro com a Palavra de Deus – V Domingo da Páscoa

V DOMINGO DA PÁSCOA

    

14 de Maio de 2017

 ANO A

 

AS LEITURAS DO DIA 

Act 6, 1-7: Escolheram sete homens cheios do Espirito Santo.

Salmo 32: Esperamos, Senhor, na vossa misericórdia.

1Pedro 2, 4-9: Vós sois geração eleita. Sacerdócio real.

Evangelho:  Jo 14, 1-12: Eu sou o caminho, a verdade e a vida.

 

A PALAVRA É MEDITADA

Duas expressões de Jesus impressionam particularmente, no texto evangélico de hoje. A primeira, que já introduz a próxima festa da sua ascensão ao céu, é uma promessa consoladora: "Vou preparar-vos um lugar". Aos homens incertos sobre o sentido dos seus dias, aos homens desiludidos por experiências mortificantes, aos homens para quem são estreitos os confins desta vida, eis uma perspectiva fascinante, a clara indicação de uma meta.

Como um viajante que se perdeu durante o caminho não sabe mais orientar-se e por isso é tentado a sentar-se no primeiro bar que encontra, mas encontra coragem se alguém lhe indica a estrada; como quem passeia de pantufas e não se decide a mexer-se porque não conhece um lugar que valha o esforço da viagem, logo se organiza se lhe apresentam um que seja adequado: assim para todos os perdidos e os indolentes é um belo estimulo saber que existe uma meta.  

E para quantos se embarcaram em aventuras em agonia, quando se apercebem de ter sido imprudentes mas não consideram não ter novas alternativas, é um conforto saber que podem sempre mudar. Para mim, como para qualquer outro dos seres humanos passados, presentes ou futuros, existe um lugar já preparado, com o meu nome escrito em cima, de modo que não devo temer que alguém mais rápido ou mais esperto, chegue a tirar-mo: ou serei a ocupá-lo, ou ficará vazio. Mas de que lugar se trata? É um lugar convidativo, apetecível? E não será demasiado cansativo chegar lá? Explícitas ou implícitas, são as questões de todos, a que Pedro, numa outra leitura de hoje, responde recordando antes de mais a nossa dignidade: "Vós sois estirpe eleita, sacerdócio real, nação santa, povo que Deus adquiriu e chamou das trevas para a sua luz maravilhosa".

Jesus responde mais simplesmente mas com palavras ainda amais constrangedoras: "Tomar-vos-ei comigo, para que onde eu estou estejais vós também". Estar sempre com Ele: existe por acaso uma perspectiva melhor? E mesmo se requer empenho, será que não o vale? O empenho: qual? Em que direcção? Como se alcança aquele lugar preparado para nós? A Tomé que lhe põe as mesmas perguntas, Jesus responde com a segunda expressão basilar do Evangelho de hoje: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida". Para chegar àquele lugar, para conseguir a única meta em condições de dar sentido ao nosso andar de ano em ano, de dia para dia, Cristo é o caminho: é necessário aderir a Ele, seguir os seus passos, confiar nas suas indicações de viagem.

No meio do turbilhão de vozes que ressoam dentro e fora de nós, entre os tantos pretensos mestres que nos bombardeiam com ensinamentos dos esquemas televisivos ou do papel estampado, é preciso distinguir a "sua" voz, porque Cristo não é uma mas “a” verdade. Diante dos esforços enormes da ciência que esta vida sabe dar apenas algum dia a mais, é preciso recordar sempre: Ele é o único capaz de abater a barreira da sua conclusão terrena; Cristo é a vida, a vida verdadeira, total, sem fim. E a vida que é Ele, na sua bondade pretende comunica-la a quem decide acolhê-la, seguindo os seus passos. "Vou preparar-vos um lugar, para que onde Eu estiver estejais vós também”.

 

A PALAVRA É REZADA

As tuas palavras, Jesus, lançam luz nova 

sobre a ligação que nos une a ti, 

sobre a relação que transformou esta nossa existência.

São muitos os caminhos que encontramos na frente:

muitos deles aparecem aliciantes e cheios de promessas, 

mas depois criam uma amarga desilusão. 

Mas és tu, Jesus, o caminho, a o único caminho que conduz ao Pai, 

tu és a estrada onde meter os nossos passos 

se desejamos chegar à meta da eternidade.

São tantas as verdades que os homens gostam de despachar com autênticas,

pagos por terem encontrado clientes que se deixam enganar. 

Mas és tu, Jesus, a verdade que marca as profundidades deste meu coração  

tão frequentemente à mercê de tempestades perigosas.

A tua palavra não se limita a decifrar aquilo que acontece,  

Mas como uma lavagem regeneradora  

torna fecunda a minha terra  

e me faz saborear uma fecundidade nova.  

Sim, porque tu, Jesus,  

és a vida que gera em mim um fruto abundante.

Ámen.

 (In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de fr. José Augusto)