Encontro com a Palavra de Deus – Santíssima Trindade - ANO C

SOLENIDADE SANTÍSSIMA TRINDADE – ANO C

    

                           16 de Junho de 2019

 

AS LEITURAS DO DIA 

 

Prov 8, 22-31: Antes das origens da terra, já existia a Sabedoria.

Salmo 8: Como sois grande em toda a terra, Senhor nosso Deus.

 

Rom 5, 1-5: Para Deus, por Cristo, na caridade que recebemos do Espirito.

Evangelho Jo 16, 12-15: Tudo o que o Pai tem é meu.

 

A PALAVRA É MEDITADA

Em que passagem do evangelho se fala da Trindade? Em nenhuma!... no sentido que, nos 4 Evangelhos, a palavra “Trindade” não aparece em nenhuma parte.

Poderíamos fechar aqui a nossa reflexão. Todavia a pergunta à volta da palavra em questão e a resposta que daí deriva não é essencial para o conhecimento de Deus, do Deus de Jesus Cristo, o qual, isto sim que o Evangelho o declara sem muito rodeio de palavras, é uma só em três Pessoas.

A página de João que escutámos representa uma dos pontos-chave da nossa fé, precisamente quanto à identidade de Deus. É verdade, o Senhor não nomeia a Trindade, mas fala do Pai, fala de si como Filho, e fala do Espirito Santo: três sujeitos com a mesma dignidade; cada um com um papel determinante e insubstituível na economia da salvação.

O Senhor dirige-se aos Doze durante a ceia de despedida, anuncia que está para os deixar, ao mesmo tempo procura convencê-los que o seu não é um abandono, e que a relação com Ele, iniciada alguns anos antes, de certo modo continuará... Mas agora Jesus deve partir deste mundo, para voltar ao Pai: é a condição para que venha o Espirito Santo.

A nossa tentação, a tentação de todo o discípulo é a de perceber o tempo presente como um tempo pobre, que não possui mais a intensidade dos dias em que Jesus caminhava pelas estradas da Galileia, ensinando e fazendo milagres...

E afinal, este é um tempo “diversamente” rico: os bens futuros, são já antecipados como uma primícia; o primeiro destes é precisamente o Espirito Santo: graças a esta presença estamos em condições de compreender Cristo mais profundamente que antes, não só a nível de cabeça, mas de vida vivida, em ermos de amor por Deus e pelo próximo. Tarefa do Espirito, ensina Jesus aos seus amigos reunidos à mesa, é depor a favor de Cristo, contra o mundo.

O Espirito Santo desconfessa o mundo, produzindo as provas da sua culpa. O Espirito Santa revela a vaidade, a inconsistência do mundo...

O Espirito manifesta-se em quem permanece fiel a Cristo, como coragem de se opor à iniquidade, à hipocrisia, à mentira, ao ódio, à violência,...

O mundo pretende vergar os homens às suas tramas, aos seus projetos, em nome da ordem, da justiça terrena, dos interesses de poder, da legalidade, até em nome de Deus.

Jesus anuncia que os seus amigos serão expulsos das sinagogas, por causa da sua fé Nele; serão considerados impios, serão declarados públicos transgressores da lei de Moisés,...

Imaginemos que estado de confusão o Mestre de Nazaré deve ter provocado no coração e na mente daqueles que o estavam a ouvir... o desmoronar de todas as certeza!

Mas o Filho de Deus não veio ao mundo para destruir as nossas certezas e depois ir-se embora...

De resto, não precisávamos de Jesus para perceber que quem constrói sobre fundamentos humanos – só humanos, constrói sobre a areia...

Jesus oferece aos seus uma outra certeza, qualitativamente diversa das humanas: é a certeza dos profetas. Enquanto no plano histórico os discípulos são condenados pelos tribunais dos homens, no plano da fé são eles, os discípulos, a julgar o mundo com a santidade da sua escolha de vida.

O Espirito guiará os discípulos para a compreensão da Verdade. Mas a Verdade é Cristo! Portanto o Espirito é aquele que guia para uma compreensão sempre mais plena, ainda que nunca seja de todo completa e definitiva, do mistério de Cristo.

É só através da acção do Espirito em nós, e no mundo fora de nós, que estamos em condições de realizar o mandato recebido no batismo. Só assim, um conhecimento por ouvir dizer, se torna conhecimento pessoal! O Espirito Santo ajuda-nos a transformar as noções aprendidas no catecismo, em experiencia vivida.

O Senhor conclui o seu ensinamento sobre o Espirito Santo declarando que o Espirito revelará as coisas futuras: atenção, com esta expressão, João não entende certamente a simples crónica dos fatos, que teriam acontecido dali a pouco; o Espírito Santo guia para interpretar a nossa história à luz da história de Jesus.

Se lêssemos a história à luz do presente, deveríamos concluir, que é a violência a fazer a história, e que o amor é vencido. Daríamos assim razão ao mundo, e errado a Cristo. Se relemos a história à luz da sua conclusão – isto é à luz do julgamento de Deus já acontecido em Jesus -, então devemos concluir que a vitória é o amor, mesmo se agora parece desmentido e crucificado.

O crucificado ressuscitou! Assim também o amor: em aparentemente derrotado, é o único vencedor!

 

 

 

A PALAVRA É REZADA

 

Estou atravessando, Senhor,  

uma difícil estação da vida.  

tudo me parece ofuscado como um negro dia de Inverno.

Apesar disto, tenho dentro de mim uma grande paz,  

porque não me sinto nem só nem abandonado,

mas habitado por ti, Pai, de mim enamorado,  

por ti, Filho, de mim Salvador,  

por ti, Espirito Santo, de mim santificador.

Ajoelho-me diante de vós, “meus Três”,

para contemplar e adorar, para louvar e agradecer,

porque toco a mão como no profundo mistério da Santíssima Trindade

tem morada a minha felicidade.

Possa de verdade todos os dias viver e caminhar  

como louvor e glória da Santíssima Trindade realizando a cada passo

alegre e profunda comunhão com os irmãos  

que estão ao meu aldo e com toda a natureza criada  

que em todo o lado admiro.

Ámen                                

 

(In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de fr. José Augusto)