Encontro com a Palavra de Deus – V Domingo da Quaresma - ANO C

V DOMINGO DA QUARESMA – ANO C

    

                           7 de Abril de 2019

 

AS LEITURAS DO DIA 

 

Is 43, 16-21: Tendo entrado na terra prometida, o povo de Deus celebra a Páscoa.

Salmo 125: O Senhor fez maravilhas em favor do seu povo. 

Filip 3, 8-14: Por isso considerei todas as coisas como prejuízo.

Evangelho Lc 8, 1-11: Quem de entre vós estiver sem pecado atire a primeira pedra.

 

A PALAVRA É MEDITADA

Moisés, na lei, mandou-nos apedrejar mulher como esta. Que dizes? Está certa a condenação de Moisés porque a mulher estava pecando quando foi apanhada. O que dizer diante de uma pessoa que não tem voz se não o seu pecado? Jesus, inclinando-se, pôs-se a escrever com o dedo no chão. Jesus não responde, escreve por terra. Como se os rolos da lei de Moisés não fossem mais suficientes para compreender a experiencia humana.

Não são precisas palavras, a terra tem a sua resposta. E dado que insistiam em o interrogar, levantou os olhos e disse-lhes: «Quem de vós estiver sem pecado, atire a primeira pedra».

A pedra lança-a Jesus, mas não contra a mulher, contra aqueles que o interrogavam insistentemente não para compreender, mas para o acusar. Quem está sem pecado, pode condenar quem pecou, não outros. As pedras tocam a ele. E inclinando-se de novo, continuou a escrever por terra. Jesus não espera palavras, volta a escrever no chão, ali onde estão as pedras.  

As pedras da condenação tornam-se pó. Jesus escolhe não condenar, Ele, o único que poderia fazê-lo. Mas aqueles, ouvindo isto, foram-se embora um após outro, começando pelos mais velhos até aos últimos. As palavras de Jesus tocam o coração. O homem, diante do seu pecado, pode só ir-se embora.

Ficou só Jesus com a mulher lá no meio. A mulher fica sozinha, ao sabor de um juízo que ainda poderia ser capital para ela. Levantando-se então Jesus disse-lhe: «Mulher, onde estão? Ninguém te condenou?». O diálogo de Jesus com a mulher tem uma dignidade sem par. Devagar recondu-la à sua beleza mais verdadeira, aquela que nenhum pecado mancha. E ela respondeu: «Ninguém, Senhor».

Nenhuma condenação da sua parte. E Jesus, este Mestre sem culpa, que fará? Irá condená-la? E jesus disse-lhe: «Nem eu te condeno; vai em paz e a partir de agora não voltes a pecar».

Não existe mais condenação para o pecado, porque o Filho de Deus se inclinou sobre os pecadores para os livrar das pedras de morte. A salvação traz em si a novidade de uma vida sem pecado, uma vida vivida como resposta de amor a Deus.

 

A PALAVRA É REZADA

 

Senhor, que eu possa ser a terra em que escreves o teu silêncio.

Possa ser eu a adúltera que encontra o abraço da tua misericórdia.

As pedras da condenação que todos os dias tomo nas mãos para atirar aos meus irmãos, tu as deixas cair quando me perguntas: tu és mais justo que eu?

Abre a minha vida, Jesus, para reconhecer as raízes do meu pecado, as insidias de um pensamento que não recebe luz de ti, mas se alimenta de si.

Tem piedade, meu Deus, do meu pecado!

Escreve na terra do meu coração!

Ámen                               

 

(In Qumran, e La Chiesa: tradução livre de fr. José Augusto)